Dicas de como se comunicar com um deficiente au...

MAIS
INFORMAÇÕES
Marcação Fonoaudiologia em Casa
Marcação Equipe da Central
Marcação Central na Mídia
Marcação Tratamentos
Marcação Aparelhos e Equipamentos
Marcação Dicas de Saúde
Marcação Depoimentos Sobre a Central
Marcação Rede de Parceiros
Marcação Perguntas Frequentes
Marcação Pesquisa de Satisfação
Marcação Trabalhe Conosco
ESPAÇO
DO CLIENTE
Para acessar, digite seu email e senha abaixo:
esqueci minha senha
  
Dicas de como se comunicar com um deficiente au...
segunda-feira, 9 de junho de 2014
DICAS DE COMO SE COMUNICAR COM UM DEFICIENTE AUDITIVO

O prejuízo na qualidade auditiva, seja ela parcial ou total, faz com que a pessoa seja considerada um deficiente auditivo. Todavia, isso não impede que os outros conversem com elas, desde que o tom de voz seja o mais adequado. Também há os surdos-sinalizados e os oralizados, cada um com suas limitações e capacidades aprimoradas.

Os deficientes sinalizados são conhecidos como surdos-mudos. Esses, por sua vez, usam com muita frequência a Língua Brasileira de Sinais (Libras), de modo que dificilmente fazem utilização da comunicação oral. Pessoas que se enquadram nesse perfil nasceram definitivamente sem audição ou não tiveram a formação plena da fala. Podem ser conhecidos como surdos pré-linguais.

Aqueles que são capazes de acompanhar através da leitura labial a comunicação, a oralização se torna ferramenta fundamental para que tal habilidade seja aprimorada. Esses indivíduos são tratados por um profissional da área fonoaudióloga. Essa capacidade de leitura é desenvolvida, uma vez que mesmo com a utilização de aparelho sonoro, dificilmente é recuperada a qualidade da audição. Se tiverem o domínio da linguagem em Libra, são conhecidos como surdos bilíngues.

As dicas a seguir são importantes para se ter uma boa relação com pessoas com deficiência auditiva. Mesmo assim não dispense consultar periódicas com profissionais da área da saúde, pois uma avaliação é sempre importante independentemente do grau de deficiência no qual a pessoa se encontra. Seguem as dicas logo abaixo:

Fale vagarosamente, sem que a naturalidade do diálogo seja comprometida. Não adianta separar as sílabas ou articular demais;

Esteja sempre de frente para a pessoa com deficiência, quando estiver conversando com ela;

A entonação é proporcional ao comprometimento auditivo. A princípio, comece falando no tom normal, se ela não entender, o tom deve ser elevado à medida que isso for exigido pela pessoa com a deficiência;

Surdo sinalizado geralmente lê os lábios. Se você perceber ou souber que o surdo é usuário exclusivo de Libras e realmente precisar falar com ele, faça-o de maneira simplificada;

Se a pessoa com quem você conversa não responder quando estiver virada para você, ou não prestar atenção no que foi dito, é fundamental que se pergunte se ela possui danos na audição, pois essa é uma doença imperceptível a olho nu;

Não fale mastigando. Além de ser falta de educação, prejudica a tentativa de leitura labial, realizada pelo deficiente;

A iluminação é um dos principais fatores do qual depende a leitura labial. Caso o ambiente impossibilite uma boa qualidade de luz, podem ser utilizadas outras ferramentas como isqueiro, lanterna e até a luz do celular.

Pr-avaliao via Telefone