Misofonia

MAIS
INFORMAÇÕES
Marcação Fonoaudiologia em Casa
Marcação Equipe da Central
Marcação Central na Mídia
Marcação Tratamentos
Marcação Aparelhos e Equipamentos
Marcação Dicas de Saúde
Marcação Depoimentos Sobre a Central
Marcação Rede de Parceiros
Marcação Perguntas Frequentes
Marcação Pesquisa de Satisfação
Marcação Trabalhe Conosco
ESPAÇO
DO CLIENTE
Para acessar, digite seu email e senha abaixo:
esqueci minha senha
  
Misofonia
sexta-feira, 17 de julho de 2015
MISOFONIA

A misofonia ou Sensibilidade Sensitiva do Som é uma síndrome que se caracteriza pela hipersensibilidade aos sons do cotidiano humano. Para pessoas portadoras dessa condição médica a convivência com outras pessoas que possam fazer pequenos barulhos como mascar chicletes, mastigar alimentos crocantes, sapatos batendo no chão, murmúrios ou respiração ofegante, torna-se uma tortura, o que leva a um estado instantâneo de raiva.

Esta “raiva” chega a ser uma mistura de pânico, tensão, ódio e terror de uma reação irracional a um tipo de barulho, que não passa de um distúrbio auditivo que tira toda a atenção a outras coisas. A misofonia é pouco reconhecida como doença e pode ser diagnosticada de forma errada caso não seja estudada de maneira adequada. As pesquisas sobre essa síndrome ainda são recentes e pouco compreendidas, mas a fonoaudiologia pode ajudar no caso.

Em muitos tratamentos de fonoaudiologia foi descoberto como resultado que alguns pacientes acreditam que tais sons provocados por outras pessoas são propositais para irrita-las. A terapia se baseia em uma parte psicológica tratando a ansiedade, e a fonoaudióloga pode trabalhar com o paciente a Terapia de Habituação (TRT – sigla em inglês), que visa à mudança no padrão de reação aos sons por meio de habituação. O paciente se expõe a alguns sons determinados pela terapia, durante o sono, e os estímulos neutros têm causado muitos benefícios. Quanto mais rápido o estado de misofonia for tratado melhor, pois, essa síndrome tem tendência de começar na adolescência e se agravar com tempo.

O transtorno vem sendo estudado desde 1990, e acredita-se que se trata de uma alteração no Processo Auditivo Central (PAC), sendo então, uma resposta emocional ou condicionada à aversão ou desprazer de estar exposto a alguns sons repetitivos, uma reação desproporcional do sistema límbico.

Confira os serviços da Central da Fonoaudiogia

Equipe da Central da Fonoaudiologia 

Pr-avaliao via Telefone