Oralização de deficientes auditivos

A audição é necessária para que não haja uma defasagem no desenvolvimento linguístico. Por essa razão, o senso comum acredita que a perda auditiva automaticamente causa a perda da linguagem falada, porém, as chances de aprendizagem da oralidade são altas, desde que praticadas nos primeiros anos de vida. 

Para evitar um maior atraso na estimulação da fala, é necessário que recém-nascidos sejam submetidos a testes auditivos e que os pais observem se os bebês dão sinais de surdez, como não se assustar com algum barulho; não virar a cabeça em direção ao som; não reconhecer a voz dos pais; não perceber que estão conversando com ele; e não conseguir dizer palavras simples como mamãe, papai, au-au, entre outros. Em alguns casos, a perda auditiva pode até ser revertida.

Em caso de impossibilidade de reversão, o acompanhamento adequado possibilita deficientes auditivos de adquirir até cem por cento de oralização, o que proporciona melhor qualidade de vida e mais chances de sociabilidade. O tratamento é realizado por uma equipe multidisciplinar, formada principalmente por fonoaudiólogos e otorrinolaringologistas.

A fonoaudiologia auxilia na oralização, pois relaciona os objetos com as palavras correspondentes, de forma que a criança aprende por meio de outras manifestações de entendimento da linguagem – como a leitura labial. Após o entendimento das palavras e das relações com os significados, o próximo passo é eliminar ao máximo o “sotaque”, descrevendo a pronúncia e o som de cada sílaba.

A Central da Fonoaudiologia conta com profissionais habilitados em oralização de deficientes auditivos. Com os nossos Fonoaudiólogos, o tratamento pode ser realizado em domicílio. Se quiser conhecer mais sobre os nossos serviços, entre em contato conosco e agende uma consulta. Será um prazer em atendê-lo.

Solicite uma ligação de nosso Atendimento
(inclusive aos fins de semana)